Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/123456789/1279
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorRodrigues, Deane Cristina Rocha-
dc.date.accessioned2017-07-25T19:19:49Z-
dc.date.available2017-07-25T19:19:49Z-
dc.date.issued2017-01-23-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/123456789/1279-
dc.descriptionTrabalho de Conclusão de Curso apresentado à banca de defesa do Curso de Graduação de Enfermagem da Universidade Federal do Maranhão para obtenção do grau de Bacharel em Enfermagem.pt_BR
dc.description.abstractA entrada na universidade inaugura um período crítico de maior vulnerabilidade para o início e a manutenção do uso de álcool e outras drogas. Por isso, a ingestão pesada e prejudicial de bebidas alcoólicas entre universitários constitui-se um problema de saúde pública. Para entender como as bebidas alcoólicas mantêm um fascínio sobre os jovens e o que os levam a ingerir doses cada vez mais elevadas, buscamos o conceito de expectativa, que se refere a predições do indivíduo sobre as consequências de seu comportamento. Trata-se de um estudo epidemiológico de conveniência, com amostragem probabilística simples utilizando como base de cálculo a prevalência do evento de 85,5%, transversal, de natureza quantitativa e com abordagem descritiva e analítica, objetivando analisar as expectativas e crenças em relação ao uso de álcool e variáveis socioeconômicas e de hábitos de consumo entre acadêmicos do curso de Enfermagem da UFMA. Foi realizada com 124 alunos, a partir da aplicação de dois questionários: um para coleta de dados sociodemográficos e de hábitos de consumo e outro para aplicação do IECPA (Inventário de Expectativas e Crenças Pessoais acerca do Álcool). Quanto à prevalência do uso de bebidas alcoólicas, encontrou-se que 69,35% dos alunos já fizeram uso do álcool alguma vez na vida, dos quais 63,71% declararam beber frequentemente e 5,65% já ter experimentado algum tipo de bebida alcoólica. Dos alunos pesquisados, 35,44% apresentaram baixo nível de expectativas positivas e 64,56%, nível elevado de expectativas positivas. A média das expectativas positivas acerca do álcool foi 138.26 sendo os alunos classificados com nível elevado de expectativas positivas relacionadas ao consumo de álcool. Verificou-se diferença entre as medidas dos níveis de expectativas positivas em relação ao álcool, encontrando resultados estatisticamente significantes em três variáveis: estado civil, onde solteiros apresentaram maior expectativa, idade de início da ingestão alcoólica, onde quanto mais jovem, maior a expectativa e última vez em que se ingeriu bebida alcoólica, sendo a maior expectativa entre os que ingeriram nas ultimas 48 e 24 horas. Os resultados encontrados indicam a existência de um contexto de exposição dos acadêmicos de Enfermagem ao uso de álcool e a presença de um nível de expectativas positivas elevado. Encontrou-se ainda um perfil de estudantes mais vulneráveis ao consumo de álcool de acordo com expectativas positivas. O consumo de álcool entre universitários é um fenômeno complexo que demanda uma abordagem ampla para a compreensão de inúmeras variáveis que circundam essa problemática.pt_BR
dc.language.isootherpt_BR
dc.subjectÁlcoolpt_BR
dc.subjectUniversitáriospt_BR
dc.subjectEnfermagempt_BR
dc.subjectAlcoholpt_BR
dc.subjectUniversity studentspt_BR
dc.subjectNursingpt_BR
dc.titleExpectativas e crenças de estudantes do curso de Enfermagem acerca do consumo de álcoolpt_BR
dc.typeOtherpt_BR
Appears in Collections:TCCs de Graduação em Enfermagem do Campus do Bacanga

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DeaneRodrigues.pdfTCC - DEANE CRISTINA DA ROCHA RODRIGUES2,08 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.