Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/123456789/2022
Title: Violência contra a mulher no ciclo gravídico puerperal em instituições de saúde: uma revisão integrativa.
Other Titles: Violence against women in the puerperal pregnancy cycle in health institutions: an integrative review.
Authors: FEITOSA, Rayssa Leilane Gomes
Keywords: Autoritarismo
Humanização
Violência Obstétrica
Saúde da Mulher e Enfermagem
Authoritarianism
Humanization
Obstetric Violence
Women's Health and Nursing
Issue Date: 18-Jul-2017
Publisher: Universidade Federal do Maranhão
Abstract: A violência contra a mulher no ciclo gravídico-puerperal é um desrespeito contra a mulher, devido à falta de humanização no atendimento e ao exercício de práticas desnecessárias por profissionais de saúde em um momento tão especial na vida da mulher. Trata-se de um estudo do tipo revisão Integrativa, com abordagem qualitativa e descritiva, desenvolvida nas bases de dados Literatura LatinoAmericana e do Caribe (LILACS), a Biblioteca Científica Eletrônica em Linha (SCIELO), Google Acadêmico e Biblioteca Virtual em Saúde - BVS – BIREME. Foram encontrados 37 artigos publicados no período de 2006 a 2016. A maior frequência de publicação ocorreu no ano 2015 e 56,75% dos artigos foram encontrados na base de dados Google Acadêmico. Destaca-se frequência maior na ciência da enfermagem. O método dominante da pesquisa foi a abordagem quantitativa (64,8%), Os atos mais frequentes de violência obstétrica foram classificados em psicológica e física sendo que a gestante está mais suscetível à violência obstétrica no período parto. Dentro os profissionais de saúde, que mais pratica a violência á mulher, são os médicos. Conclui-se que a partir dos dados apresentados, é necessário que os profissionais de saúde se conscientizem de que toda mulher tem direito a um atendimento digno, durante o período de gestação.
Description: ABSTRACT Violence against women in the pregnancy-puerperal cycle is disrespect for women, due to the lack of humanization in care and the practice of unnecessary practices by health professionals at such a special time in women's lives. This is an integrative review, with a qualitative and descriptive approach, developed in the Latin American and Caribbean Literature (LILACS) databases, the Online Electronic Scientific Library (SCIELO), Google Scholar and Virtual Health Library - BVS - BIREME. We found 37 articles published between 2006 and 2016. The highest frequency of publication occurred in 2015 and 56.75% of articles were found in the Google Scholar database. It stands out more frequently in the science of nursing. The main method of research was the quantitative approach (64.8%). The most frequent acts of obstetric violence were classified as psychological and physical, and the pregnant woman is more susceptible to obstetric violence during childbirth. Among health professionals, who practice violence more to women, are doctors. It is concluded that from the data presented, it is necessary that health professionals become aware that every woman has the right to a decent service, during the gestation period.
URI: http://hdl.handle.net/123456789/2022
Appears in Collections:TCCs de Graduação em Enfermagem do Campus do Bacanga

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
RayssaFeitosa2017.pdfTrabalho de Conclusão de Curso961,91 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

Admin Tools