Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/123456789/2931
Title: A percepção das mães acerca da vivência na Unidade de Terapia Intensiva neonatal
Other Titles: The perception of mothers about the experience in the neonatal intensive care unit
Authors: COSTA, Thalita dos Santos
Keywords: Unidade de Terapia Intensiva Neonatal
Recém-nascido prematuro
Cuidados de Enfermagem
Neonatal Intensive Care Unit
Premature newborn
Nursing care
Issue Date: 11-Dec-2018
Publisher: Universidade Federal do Maranhão
Abstract: Introdução: O parto e o puerpério podem significar a concretização de todos os medos quando o recém-nascido é encaminhado à Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Com a internação as mães vivenciam a “perda do chão”, e nesse momento os sonhos, expectativas e a alegria pela chegada do filho dão lugar a insegurança, desespero e angústia. A hospitalização na UTIN configura-se como fator estressor e frustrante para as mães, pois o futuro é incerto. A adaptação ao novo contexto é individual e cada pessoa possui um nível de enfrentamento. A UTIN é um ambiente de cuidados intensos, que suscita sentimentos ambíguos - ao mesmo tempo que é um local de esperança, torna-se um ambiente de medo. Objetivo: Compreender a percepção das mães sobre a sua vivência na UTI Neonatal. Métodos: Estudo descritivo de abordagem qualitativa, realizado com 9 mães no período de maio a agosto de 2018. Para obtenção dos dados foi utilizado um roteiro de entrevista semiestruturada. Os dados foram transcritos e analisados à luz da técnica do discurso do sujeito coletivo. Resultados: A população foi composta em sua maioria por mulheres acima de 30 anos (56%), com baixa escolaridade (78%), multíparas (67%), com intercorrências durante a gestação (88%). Foi relatado um acolhimento respeitoso e em todas as visitas à UTIN, as informações eram claras e ofertadas a todo o momento, deixando as mulheres mais confiantes e tranquilas. Havia o envolvimento das mulheres no cuidado ao filho, os sentimentos de medo, insegurança e angústia eram compartilhados com a equipe e esta utilizava estratégias para dissuadir tais percepções, através do cuidado com a mulher. Tais aspectos traziam esperança de um futuro melhor e saudável para o filho. A relação com a equipe foi construída através da confiança, troca de informações e a constatação da capacidade científica dos membros e isso aumentava o estímulo à formação de vínculos na díade mãe-filho. Conclusão: Foi possível visualizar e compreender os sentimentos que estão envolvidos na internação de um recém-nascido pré-termo na UTIN. A angústia, o medo, insegurança são constantes e portanto, a equipe multiprofissional, em especial o enfermeiro que é o sujeito mais próximo da mãe, tem um papel fundamental em acolher a mãe, ajudar a construir um vínculo entre a díade mãe-filho e formar a autonomia de cuidado materno.
Description: ABSTRACT Introduction: Childbirth and puerperium may mean the realization of all fears when the newborn is referred to the NICU. With the hospitalization, the mothers experience the "loss of the ground", and at this moment the dreams, expectations and joy for the arrival of the child give way to insecurity, despair and anguish. Hospitalization in the NICU is a stressor and frustrating factor for the mothers, because the future is uncertain. Adaptation to the new context is individual and each person has a level of coping ¹. The NICU is an environment of intense care, which raises ambiguous feelings-while it is a place of hope, it becomes an environment of fear. Objective: To understand the mother perceptions about their experience in the Neonatal ICU. Methods: Descriptive study of qualitative approach, conducted with nine puerperal women from May to August 2018, and to obtain the data, a semi-structured interview script was used. The data were transcribed and analyzed in light of the speech Collective subject discourse technique. Results: The population consisted mostly of women older than 30 years (56%), with little schooling (78%), multiparous (67%), with Intercurrences during pregnancy (88%), and with preterm infants classified according to gestational age with proportions Similar (33%). It was reported a respectful welcome and in all visits to the NICU, the information was clear and offered at all times, leaving the women more confident and quiet, there was the involvement of the puerperal woman in the care of the child, the feelings of fear, Insecurity and anguish were shared with the team, and this used strategies to dissuade such perceptions, through the care of women. Such aspects brought hope of a better and healthier future for the child. The interpersonal relationship with the team was built through trust, information exchange and the scientific capacity of the members, with this there was a grid stimulus to the formation of bonds in the mother-child dyad. Conclusion: It was possible to visualize and understand the feelings that are involved in the hospitalization of a preterm newborn in the NICU. Anxiety, fear, insecurity are constant, and therefore the multiprofessional team, especially the nurse who is the closest subject of the mother, plays a fundamental role in welcoming that woman, helping to build a bond between the mother-child dyad and autonomy of maternal care.
URI: http://hdl.handle.net/123456789/2931
Appears in Collections:TCCs de Graduação em Enfermagem do Campus do Bacanga

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
THALITACOSTA.pdfTrabalho de Conclusão de Curso2,45 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.