Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/123456789/4500
Title: O extrativismo do babaçu e sua importância socioeconômica, ambiental e cultural para as comunidades Alto da Liberdade e Patizal, assentamento Pedra Preta, município de Arame-Ma.
Other Titles: Babassu extractivism and its socioeconomic, environmental and cultural importance for the Alto da Liberdade and Patizal communities, Pedra Preta settlement, municipality of Arame-Ma.
Authors: MONTEIRO, Edinalva Costa
Keywords: Aproveitamento do coco babaçu
Quebradeiras de coco babaçu
Leis do Babaçu Livre
Importância cultural
Use of babassu coconut
Babassu coconut breakers
Free Babassu laws
Cultural importance
Issue Date: 25-Sep-2020
Publisher: Universidade Federal do Maranhão
Abstract: RESUMO O extrativismo do babaçu é uma fonte de renda para muitas famílias há diversas gerações, realizada geralmente por mulheres, denominadas quebradeiras de coco babaçu. A abrangência do coco babaçu em território nacional se dá especialmente nos municípios do Maranhão, Pará, Piauí e Tocantins. A partir da necessidade de preservação dos babaçuais e da necessidade de ter livre acesso a sua extração surgiu, em meio a conflitos, o Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB), organização que representa os interesses sociais, políticos e econômicos das quebradeiras de coco babaçu, bem como foram criadas as Leis do babaçu livre. O presente trabalho propõe analisar a importância da prática do extrativismo do babaçu nos contextos socioeconômicos, ambiental e cultural para as comunidades Alto da Liberdade e Patizal no assentamento rural Pedra Preta, Município de Arame (MA). A execução da pesquisa ocorreu do período dos meses de julho a agosto de 2019 se deu pela aplicação de questionários a 14 mulheres extrativistas e pesquisas bibliográficas em documentos oficiais. Observações não participativas, foram feitas para aperfeiçoar a discussão dos dados. Os resultados mostram que a atividade é praticada por mulheres em sua maioria na faixa etário de 30 anos em diante e que as novas gerações estão perdendo o interesse pela prática. A atividade ainda é praticada principalmente para complementação da renda, pois sua valorização no mercado é insuficiente para o sustento das famílias formadas por 04 a 07 pessoas, assim a produção resultante da quebra do coco está sendo destinada principalmente para consumo próprio das famílias. Dentre os produtos mais produzidos nas comunidades destacam-se o azeite, o sabão, a farinha do mesocarpo do babaçu e o carvão. Pode-se observar que há o desejo da preservação desses ambientes pelo público analisado, associado a luta pela valorização desta importante tradição cultural e social das comunidades. Assim há a necessidade de cumprimento das legislações ambientais vigentes e do esforço de se preservar esse patrimônio social, econômico, cultural e ambiental especialmente no estado do Maranhão.___ABSTRACT: Babassu extractivism has been a source of income for many families for several generations, usually carried out by women, called babassu coconut breakers. The scope of babassu coconut in the national territory occurs especially in the municipalities of Maranhão, Pará, Piauí and Tocantins. From the need to preserve babassu trees and the need to have free access to their extraction, the Interstate Movement of the Coco Babaçu Breakers (MIQCB) arose in conflict, an organization that represents the social, political and economic interests of the river breakers. babassu coconut, as well as free babassu laws were created. The present work proposes to analyze the importance of the practice of babassu extractivism in the socioeconomic, environmental and cultural contexts for the Alto da Liberdade and Patizal communities in the rural settlement Pedra Preta, Municipality of Arame (MA). The research was carried out from July to August 2019, through the application of questionnaires to 14 extractivist women and bibliographic research in official documents. Non-participatory observations were made to improve the discussion of the data. The results show that the activity is practiced by women mostly in the age group from 30 years onwards and that new generations are losing interest in the practice. The activity is still practiced mainly to supplement the income, since its valorization in the market is insufficient to support the families formed by 04 to 07 people, thus the production resulting from the breaking of the coconut is being destined mainly for the own consumption of the families. Among the products most produced in the communities are olive oil, soap, babassu mesocarp flour and coal. It can be observed that there is a desire for the preservation of these environments by the analyzed public, associated with the struggle for the valorization of this important cultural and social tradition of the communities. Thus, there is a need to comply with current environmental legislation and the effort to preserve this social, economic, cultural and environmental heritage, especially in the state of Maranhão.
URI: http://hdl.handle.net/123456789/4500
Appears in Collections:TCC de Graduação em Educação do Campo/Ciências da Natureza e Matemática do Campus de Bacabal

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
EdinalvaMonteiro.pdfTrabalho de Conclusão de Curso1,95 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.